A natação é um dos esportes com menor incidência de lesões, mas, mesmo assim, há uma contusão que frequentemente aflige os praticantes da modalidade: o ombro de nadador.

A lesão se caracteriza por uma dor muito forte no ombro, sentida pelo nadador ao levantar o braço. O atleta também sente algo parecido com um choque elétrico, além de formigamento que se estende desde o ombro até os dedos das mãos. A dor fica ainda mais intensa quando o atleta termina de nadar e ergue o braço para fazer movimentos simples, como pentear o cabelo.

Essa dor acontece, inicialmente, devido a tendinite que aparece quando os tecidos moles do espaço subacromial são comprimidos entre a cabeça do úmero e o arco coracoacromial e acrômio anterior. Esses tecidos incluem o tendão supraespinhoso, uma boa parte do bíceps e a bolsa subacromial. Quando esses tecidos inflamam, o espaço subacromal fica estreito, e isso resulta em uma dor intensa.

O ombro de nadador acontece, principalmente, por causa da execução incorreta da braçada, falta de fortalecimento do músculo, falta de alongamento, fatiga muscular por movimentos repetitivos e desequilíbrio de força muscular.

Durante o tratamento, o atleta deverá consultar um médico para que faça o diagnóstico do estado e gravidade da lesão. Na maioria das vezes, inicialmente, deve-se reduzir a carga de treinamento para eliminar a fadiga. Também é importante que o nadador alongue corretamente a articulação e faça exercícios de fortalecimento. A consulta médica é fundamental para verificar as necessidades de sessões de kinesiologia e, em casos mais extremos, uma intervenção cirúrgica.

Fonte: ativo.com.br