Um novo estudo desenvolvido pela Aliança Bike e Labmob/UFRJ reforça o papel das bicicletas do país. Com dados atualizados sobre a venda de bicicletas no varejo nacional, a publicação coloca uma lupa no setor: são quase 9 mil lojas especializadas e mais de 14 mil empregos formais diretos gerados. Estes e outros números estão presentes na Revista Comércio Varejista de Bicicletas, da série Mercado de Bicicletas no Brasil.

Esta nova publicação já está disponível ao público. O lançamento oficial, porém, acontecerá em um seminário totalmente online, no dia 20 de janeiro, a partir das 10h. Para participar do evento de lançamento é necessário se inscrever neste link.

“Uma das principais virtudes desta Revista é poder auxiliar lojistas em seus planos de negócios, esmiuçando a realidade a partir dos dados das inúmeras pesquisas apresentadas. O resultado é um panorama inédito e rico para quem atua no segmento ou quer se aprofundar no tema. Inclusive com destaque para os estudos de caso com lojas tão distintas e as tendências do comércio eletrônico”, comenta Daniel Guth, diretor executivo da Aliança Bike.

Com informações pertinentes sobre o mercado de bicicletas no Brasil, que mostram um raio-X bastante completo do setor, a publicação contempla seis aspectos principais:

Números gerais da revista

De acordo com o levantamento, 39% dos municípios brasileiros possuem ao menos um comércio de bicicletas. Ao dissecar esses números, é possível observar que a região Sudeste concentra a maior parte do comércio, com 42% das lojas de bicicletas. Enquanto isso, são 25% no Nordeste, 16% no Sul, 10% no Centro-Oeste; e 7% no Norte do país.

É também no Sudeste onde está a maior concentração de geração de empregos formais diretos. Entre o total de 14.147 do país, a região acumula 44% (6.253), seguida do Nordeste, com 25% (3.540).

Além disso, a publicação indica que São Paulo é o estado onde estão concentrados 22% de todos os estabelecimentos de comércio varejista de bicicletas, seguido por MG (12%) e PR (6,6%).

Já em se tratando de perfis de negócios, através das pesquisas foi constatado também que os estabelecimentos varejistas de bicicleta, em 91% dos casos são microempresas com até 4 funcionários. Dentro disso, quase metade deste total é composta por empreendimentos sem nenhum funcionário – apenas com o/a proprietário/a trabalhando.

Pesquisa online com lojistas mostra de onde vem o faturamento

A Revista desenvolvida pela Aliança Bike e Labmob/UFRJ ainda traz uma pesquisa, realizada com centenas de lojistas de todo o país. Nessa pesquisa, foi possível observar que quase 30% das lojas de bicicletas têm faturamento de até 200 mil reais por ano, enquanto uma fatia de 14% dos negócios fatura acima dos 2 milhões de reais anualmente.

O faturamento médio dessas empresas, de acordo com a pesquisa, é composto por bicicletas inteiras, que representam 50% do montante, 20% de venda de componentes, 20% de acessórios e 10% correspondem aos serviços de mecânica.

Com uma média de 200 unidades de bicicletas vendidas por ano, 1/3 das lojas comercializam modelos que variam entre R$200 e R$2.000 – 95% delas comercializam mountain bikes; 83% bicicletas urbanas; 82% bicicletas de estrada (road/speed); 81% infantis; e 53% já comercializam bicicletas elétricas.

A pesquisa também ajuda a entender de onde vem o faturamento a partir das plataformas de marketplace utilizadas pelos lojistas que têm vendas online. Com grande diferença, o Mercado Livre é utilizado por 77% dos lojistas que fazem uso de marketplace – mais abaixo é possível conferir uma análise mais aprofundada sobre essa plataforma -, enquanto o Facebook concentra 37,5%. A lista segue com Lojas Americanas (31%), Submarino (25%), OLX (23%) e Via Varejo (14,5%).

Média de salários mensais de profissionais do setor

Considerando apenas trabalhadores com vínculos ativos, em 2018 o salário mensal médio foi de R$ 1.373,06 naquele ano, o que representa aproximadamente 43% acima do salário mínimo do mesmo período. Em quatro anos de análise, entre 2014 e 2018, o aumento da massa salarial seguiu uma tendência similar ao salário mensal médio, atingindo um valor maior do que R$ 231,6 milhões em 2018.

Entre todos os estados brasileiros, Santa Catarina é onde o salário médio é mais alto, R$ 1.724,43. Paraná e São Paulo vêm na sequência, onde a média salarial mensal é pouco mais de R$ 1.500,00.

Pesquisa mostra Mercado Livre como principal plataforma de vendas online

Em levantamento inédito, a Revista constatou que o Mercado Livre é a principal plataforma de marketplace. Durante os meses de agosto e setembro de 2020 foi possível identificar alguns padrões com relação às vendas de bicicletas e componentes no site.

Nos dois meses analisados, 92% das vendas de bicicletas se concentraram nas regiões Sul e Sudeste, sendo metade delas realizadas apenas na cidade de São Paulo. A taxa anual média é de 88 bicicletas vendidas por loja anunciante na plataforma e de 140 peças por anunciante.

Com relação ao faturamento acumulado com a comercialização de bicicletas no Mercado Livre, foram R$ 9 milhões no período de 37 dias, com um preço médio de R$ 916,21 por produto. Já as peças geraram um faturamento total de R$ 6,3 milhões no mesmo período (preço médio de R$ 155,98 por produto).

A Revista Comércio Varejista de Bicicletas é a terceira publicação da coletânea Mercado de Bicicletas no Brasil. Antes, foram publicados os cadernos temáticos sobre Bicicletas Elétricas e Importação, Exportação e Distribuição. O próximo a ser publicado, para fechar a série, é o de Produção e Montagem, sempre contando com a Aliança Bike e o Labmob/UFRJ, como coordenadores, e o Itaú como apoiador.

Sobre a Aliança Bike

Criada em 2003 e formalizada em 2009, a Aliança Bike tem como missão principal fortalecer a economia da bicicleta, além de trabalhar para que mais pessoas pedalem no Brasil. A entidade atua em diversas frentes de trabalho para atingir os objetivos. Conta com mais de 90 associados entre fabricantes, montadores, importadores, distribuidores e lojistas.