O tcheco Josef Cerny (CCC) conquistou nesta quinta-feira (23 de outubro)a 19ª etapa do Giro d’Italia depois de atacar o grupo escapado a 21 km da meta e cruzar sozinho a chegada em Asti. Esta foi a primeira vitória no Giro de Cerny, atual campeão nacional de crono.

“É incrível. Estou sem palavras. Hoje meu sonho se realizou e estou muito feliz. A história não vai lembrar se hoje a etapa era curta ou longa. Eu acabei de ganhar uma etapa do Giro e foi fantástico erguer minhas mãos para o alto. É uma bela vitória que me faz sentir muito feliz. Eu curti o momento na fuga e foi um pouco de loteria sair para tentar a vitória. Fico contente de ainda ter boas pernas depois de escalar o Stelvio ontem. É muito bom ganhar uma etapa no Giro”, disse.

Na segunda colocação ficou o belga Victor Campenaerts (NTT Pro Cycling), que garantiu assim seu quarto pódio sem vitória na competição. O italiano Jacopo Mosca (Trek-Segafredo) conquistou o primeiro pódio de sua carreira com a terceira colocação, a 26 segundos.

A etapa começou com uma polêmica. Por conta das condições climáticas, o pelotão mobilizou um protesto na largada em Morbegno e depois de 8km percorridos, os ciclistas pararam a corrida e foram para os ônibus da equipe. Uma nova largada foi realizada em Abbiategrasso. A etapa, que deveria ser a mais longa do Giro, com 258 km, foi encurtada para 124km.

Assim que a corrida recomeçou, um grupo formado por Victor Campenaerts (NTT), Simon Pellaud (Androni), Josef Cerny (CCC) começou uma fuga que abriu 20 segundos sobre um grupo de perseguidores com Iljo Keisse (Deceuninck-QuickStep), Sander Armée (Lotto Soudal), Giovanni Carboni (Bardiani), Nathan Haas (Cofidis), Marco Mathis (Cofidis), Simon Clarke and Lachlan Morton (EF Pro Cycling), Alex Dowsett (Israel Start-Up Nation), Albert Torres (Movistar), Jacopo Mosca (Trek-Segafredo) e Etienne van Empel (Vini Zabu). A 98km para a chegada os dois grupos se juntaram.

No pelotão principal, a equipe Bora-Hansgrohe fazia a puxada e mantinha a fuga controlada na casa dos 30 segundos. A 45km para a chegada, a Bora-Hansgrohe deixou a ponta do pelotão e os escapados abriram seis minutos de vantagem.A 31km da meta, Campenaerts atacou o grupo da fuga, mas foi neutralizado rapidamente por Dowsett e Mathis. Mais adiante, Cerny, Clarke, Pellaud, Armée e Mosca se juntaram a Campenaerts.

Cernys atacou a 22km para a chegada e conseguiu abrir 20 segundos de vantagem sobre o grupo perseguidor, que ganhou o reforço de Keisse. Cernys, apertou o ritmo, ganhou mais terreno, e administrava 40 segundos, a 17km para a meta. Com muita determinação o tcheco mostrou porquê é o campeão de crono de seu País, manteve o passo, e cruzou com 18 segundos sobre Campenaerts.

Na classificação geral, a liderança segue com o holandês Wilco Kelderman (Sunweb), que tem 12 segundos sobre seu companheiro de equipe, o australiano Jai Hindley.

“Curti cada minuto com a Maglia Rosa hoje. Estou muito confiante que consigo mantê-la amanhã também. Hoje pela manhã as condições de clima eram ruins, fazia muito frio. Esta semana foi difícil e é arriscado para nosso sistema imunológico. Sou grato aos organizadores que nos ouviu e encurtou a etapa”, disse Kelderman. O holandês se diz confiante e acredita o pior das montanhas já passou.

“O que preciso fazer amanhã é seguir os outros ciclistas da equipe Ineos-Grenadiers. Eles mostraram que estão fortes, mas a etapa de amanhã não é tão difícil quanto a de ontem. Será um grande dia, mas eu não vejo como a mais luta de minha carreira. De qualquer forma, darei tudo de mim”, disse o líder.

Hindley, vice-líder da classificação geral individual, lidera a classificação dos ciclistas jovens, com três segundos de vantagem sobre o britânico Tao Geoghegan Hart (Ineos-Grenadiers) e 2min04s sobre o português João Almeida (Deceuninck-Quickstep).

Na classificação por pontos, o francês Arnaud Demare (Groupama-FDJ) segue na liderança com 221 pontos, contra 184 do eslovaco Peter Sagan (Bora-Hansgrohe). A malha azul, de líder de montanhas, continua com o português Ruben Guerreiro (EF Pro Cycling), que tem 234 pontos. O belga Thomas De Gendt (Lotto Soudal) é o segundo, com 122 pontos.

O time britânico Ineos-Grenadiers lidera a classificação por equipes, com 23min39s de vantagem sobre a esquadra belga Deceuninck-Quick-Step e 28min01s sobre a Bahrain-McClaren.

O Giro 2020 termina no domingo, dia 25 de outubro, com um contrarrelógio individual de 15,7km entre Cernusco sul Naviglio, Cidade Europeia do Esporte 2020, e Milão, na Piazza Duomo, que não deverá receber a multidão de fãs usual por causa das diretrizes de distanciamento social.

TOP 5 DA ETAPA

1 Josef Cerny (Cze) CCC Team – 2h30min40s
2 Victor Campenaerts (Bel) NTT Pro Cycling – a 18s
3 Jacopo Mosca (Ita) Trek-Segafredo – a 26
4 Simon Clarke (Aus) EF Pro Cycling – mt
5 Iljo Keisse (Bel) Deceuninck-Quickstep – mt

TOP 10 DA GERAL

1 Wilco Kelderman (Hol) Team Sunweb – 80h29min19s
2 Jai Hindley (Aus) Team Sunweb – a 12s
3 Tao Geoghegan Hart (GBr) Ineos Grenadiers – a 15s
4 Pello Bilbao (Esp) Bahrain McLaren – a 1:19
5 João Almeida (Por) Deceuninck-Quickstep – a 2:16
6 Jakob Fuglsang (Din) Astana Pro Team – a 3:59
7 Patrick Konrad (Aut) Bora-Hansgrohe – a 5:40
8 Vincenzo Nibali (Ita) Trek-Segafredo – a 5:47
9 Fausto Masnada (Ita) Deceuninck-Quickstep – a 6:46
10 Rafal Majka (Pol) Bora-Hansgrohe – a 7:28

Fonte: Bike Magazine